Canais Verticais

31 10 2008


Um canal de distribuição vertical é a tradicional transferência de responsabilidades de um segmento da cadeia de suprimentos para o seguinte, como um bastão em uma corrida de revezamento.

Em uma abordagem simples e prática, podemos notar o seguinte fluxo:

O fabricante envia um caminhão completamente carregado com seu produto ao armazém do atacadista (isso quando não passa por um centro de distribuição antes), onde a carga é desconsolidada. O atacadista vende o produto a diversos varejistas, esses, por sua vez, estocam as mercadorias nas lojas e as vendem para os consumidores. Serviços pós-vendas (instalações, atendimento a eclamações e informações sobre o uso do produto, etc.) são realizadas diretamente pelo varejista solicitados pelos clientes finais.

Há estoques nos diversos segmentos (intermediários) do processo que esxercem a função de pulmão (buffer). Todos os elementos (fabricantes, atcadistas, varejistas, consumidores) desempenham papéis de apoio, atuando nos bastidores do processo.

O atacadista desconsolida lotres completos, de vários fabricantes, e vende em lotes pequenos ao varejista. A conseqüência deste canal é que o atacadista e fabricante não possuem contato direto com o cliente final, diferente do varejista que interpreta as preferências, as tendências da demanda, a necessidade de serviços pós-venda, etc. desse elemento.

Algus consumidores prefeririam obter informações direto com os fabricantes, mas na distribuição vertical, é o varejista o intermediário encarregado desta função. Geralmente são os vendedores das lojas quem passam as informações técnicas dos produtos aos consumidores.

Com a definição do Supply Chain Management, e a evolução dos sistemas computacionais juntamente com serviços sofisticados de distribuição de cargas, como a Fedex, possibilitam ás empresas despachar pedidos pequenos com prazos de entrega menores diretamente para os consumidores. Evita-se, assim, algumas penalizações e burocracias.

Em alguns tipos de comércios, intermediários na cadeia de suprimentos, como atacadista e distribuidor estão ameaçados pelo fato do surgimentos de canais diretos. Esse tipo de canal direto são mais curtos, pois usam menos intermediários. Todas essas mudanças visam obter maior valor final para o consumidor usando as mudanças tecnológicas e de mercado observadas diariamente.

Até o próximo post e bom final de semana \o/

Anúncios




Comércio Eletrônico Móvel ou m-commerce

30 10 2008


Qualquer transação envolvendo valor monetário conduzida através de uma rede de tlecomunicações móvel é denomnada m-commerce, também conhecido como comércio eletrônico sem fio (Wireless Electronic Commerce). As transações B2B e B2C estão igualmente envolvidas no comércio eletrônico móvel, coma diferença do modo como é conduziada a transação.

A telefonica celular é extensivamente utilizada para comercializar produtos e serviços. Chamadas regulares por meio de telefone celular de uma pessoa para outra não são envolvidas no m-commerce.

O m-commerce é utilizado principalmente por três categorias:

  • Organizações voltadas à venda de produtos e serviços, tais como indústria, comércio, banco, etc.
    Exemplo: Um vendedor visita um supermercado e o comprador decidi comprar um lote em quantidade maior e que seja entregue num período menor de tempo. O vendedor, por meio de um celular pode entrar em contato com a empresa e seu sistema e ver se é possível tal compra e, caos positivo, reservar esse pedido.
  • Organizações voltadas à prestação de serviço, tais como serviços públicos, telefone, eletricidade, pronto socorro, água e esgoto, reparos e consertos, consultorias, táxis, etc.

Exemplo: Uma equipe de uma concessionária de energia elétrica enviada para resolver um problema de um poste de iluminação, ao deparar com a falta de algum material, pode entrar em contato através de um celular inteligente no sistema da empresa e fazer a requisição da peça.

  • Organização relacionada com a Logística, como transportadores, empresas de courier, despachantes aduaneiros. etc.

Exemplo: O agente de uma cooperativa de soja que precisa reservar cinco vagões para o carregamento da carga, pode entrar no sistema do transportador ferroviário e verificar a disponibilidade de vagões.

Finalizando, a demanda de uso do comércio eletrônico móvel ou m-commerce está bem abaixo da vista nas transações B2B e B2C. A vantagem deste tipo de comércio móvel, é justamente a mobilidade, gerando agilidade e confiabilidade no processo.

Recomendo a leitura do livro Logística e Gerenciamento da Cadeia de Distribuição do autor Antonio Galvão Novaes.

Abraços!





China Investirá U$292 bilhões em Ferrovias

27 10 2008


Mesmo com a crise financeira, neste fim de semana a China declarou que investirá U$292 bilhões em construções e melhorias de ferrovias no país.

Tal investimento faz sentido, pois a situação atual não consegue comportar uma demanda de 1,3 bilhão de chineses que usam o transporte ferroviário.

Até 2010 a malha será ampliada de 78 mil quilômetros de extensão para 90 mil quilômetros.

Fonte: Intelog





Setor Automobilístico Sofre Mais Com a Crise

24 10 2008


Pessoal, espero que todos estejam bem, enfim, hoje é sexta-feira 😀

O site G1 publicou uma matéria falando como o setor automobilístico é o que mais está sofrendo com a crise financeira. Redução de créditos, mais dificuldades para obter empréstimos, menos parcelas para pagar e juros mais altos, juntos, resulta na crise que vemos.

O link para a matéria é http://g1.globo.com/Noticias/Economia_Negocios/0,,MUL835025-9356,00-MONTADORAS+SAO+ATINGIDAS+EM+CHEIO+PELA+CRISE+FINANCEIRA.html

Abraços!





20 Milhões de Desempregados Até 2009

21 10 2008


Segundo a OIT – Organização Internacional do Trabalho -, a crise financeira mundial irá gerar 20 milhões de novos desempregados até 2009. Economias como os Estados Unidos, Europa e Japão terão crescimento de menos de 1%, que pode ser considerado “crescimento zero”.

Para citar um exemplo, o setor que mais vem sofrendo com o desemprego é o automotivo. A BMW e Opel pararam suas operações na Europa, a GM demitiu 1,6 mil funcionários nos Estados Unidos.

Para ver a notícia completa, entrem em Estadão

Abraços





Nova Revista LogWeb para Download

16 10 2008


Pessoal, está disponível para download em formato PDF a edição nova (#80) da revista LogWeb.

Link http://www.logweb.com.br/index/home.asp

Boa leitura!





Internet Grátis em 12 Aeroportos

15 10 2008


A Infraero divulgou que, a partir de dezembro, 12 aeroportos contarão com internet gratuita via rede wireless. Para esta infra-estrutura serão gasto R$1,1 milhão.

Os 12 aeroportos são: Guarulhos (SP), Galeão (RJ), Brasília (DF), Confins (MG), Santos Dumont (RJ), Congonhas (SP), Salvador (BA), Recife (PE), Porto Alegre (RS), Manaus (AM), Curitiba (PR) e Belém (PA).

A previsão é que os 67 aeroportos administrados pela Infraero passam a possuir tal infra-estrutura, sendo que 20, já em 2009, contarão com o serviço de internet gratuita.

Até mais!