Matéria sobre roubo de cargas no país

17 06 2011

Escoltas armadas, equipamentos de última geração e segurança reforçada: nada disso impede o aumento do roubo de cargas no Brasil. A maior parte desses roubos acontece em São Paulo e nas proximidades da cidade. As rodovias mais perigosas são a Régis Bittencourt e a Anhanguera. Os criminosos procuram principalmente cargas de alimentos, eletroeletrônicos e remédios. Para atacar, eles chegam a se disfarçar de policiais. Quem carrega a riqueza do país convive com a insegurança.

“Já fui assaltado. No meio do movimento, o cara chegou e meteu o cano. O sinal fechou, o cara chegou em cima e colocou o revólver”, lembra o caminhoneiro Jorge Luis Carvalho da Silva.

“Não tem segurança mais, a gente sai de casa e não sabe se vai voltar”, lamenta outro caminhoneiro.

“Está perigoso a qualquer momento. Você está sujeito a ser assaltado”, reforça um homem.

Ao todo, 53% dos roubos de cargas do país acontecem no estado de São Paulo e 21% no Rio de Janeiro. Em 2010, o prejuízo dos empresários paulistas e das seguradoras chegou a R$ 280 milhões. Em 2011, já é de R$ 68 milhões. Quanto mais valiosa a carga, maior o risco de ser atacado.

“Uma quantidade grande de laptops que foram roubadas, ou de linha branca, onde vão parar esses produtos? Só pode ser para o comercio formal. Alguém está ganhando com isso, por isso a ideia da cassação, que já acontece com aqueles postos de gasolina que vendem combustível batizados. Eles acabam perdendo o direito de comercializar”, explica Adauto Bentivegna Filho, diretor executivo do Sindicato das Empresas de Transportes de Carga de São Paulo.

As transportadoras calculam que gastam até 15% do faturamento em escoltas, equipamentos e seguros. Mas nada disso tem impedido a ação dos ladrões. No primeiro trimestre, no estado de São Paulo, foram registrados quase 1,8 mil roubos.

O risco de assalto é maior quando o caminhão circula na capital, onde ocorrem 60% dos roubos de carga do estado. Muitas vezes, os bandidos se disfarçam de policiais.

Nos últimos dias, duas quadrilhas foram presas. Tinham armamento pesado.

“Os roubos são concentrados em uma área de 100 a 150 quilômetros da capital. Eles agem em quadrilhas de pelo menos quatro pessoas fortemente armadas. Agem nas proximidades de regiões mais populosas, porque isso facilita a distribuição da mercadoria”, aponta o delegado coordenador do Procarga, Waldomiro Milanese.

Na capital, as zonas Leste e Sul são as que registram o maior número de roubos de cargas. Muitos caminhões trafegam com sistema de rastreamento por satélite para que seja possível localizar a carga em caso de roubo. Mas, segundo a polícia, os criminosos já têm equipamentos que bloqueiam o sinal.

Fonte: G1

Além do problema da infraestrutura da malha rodoviária no país, a segurança nas estradas está ficando cada vez mais preocupante.





São Paulo tem o 6º pior trânsito do mundo

2 07 2010

São Paulo – A cidade de São Paulo tem o sexto pior trânsito do mundo, de acordo com uma pesquisa feita pela IBM. O estudo Commuter Pain, divulgado nesta quarta-feira (30), reuniu avaliações de 8.192 motoristas de 20 cidades em cinco continentes, ao longo de dois anos.

À frente da capital paulistana no inglório ranking estão cidades como Johanessburgo (África do Sul), Moscou (Rússia) e Nova Delhi (Índia). A cidade chinesa de Beijing é a primeira colocada, com as piores condições de tráfego. Em São Paulo, 61% dos motoristas entrevistados acha que a situação do trânsito piorou muito nos últimos três anos.

Este resultado, de acordo com a pesquisa, se torna visível não apenas nas ruas: 55% dos paulistanos que enfrentam o trânsito no dia a dia afirmaram que, de alguma forma, as más condições de tráfego afetaram sua saúde, aumentando os níveis de estresse e raiva.

Os prejuízos à saúde são mais bem compreendidos quando se leva em conta outros aspectos do estudo. Em São Paulo, 45% dos motoristas relataram que já alteraram planos de viagens ou férias pensando nos problemas que enfrentariam nas estradas e rodovias.

A IBM perguntou a todos os motoristas participantes o que eles fariam se o tempo de deslocamento diário no trânsito diminuísse. Cerca de 50% deles disseram que passariam mais horas com a família e com amigos. Outros 44% afirmaram que se dedicariam a atividades físicas.

Para 52% dos motoristas paulistanos, tanto o estresse quanto o tempo gasto no trânsito poderiam diminuir se o governo investisse na melhora dos transportes públicos.

Fonte: EXAME





Reajuste dos pedágios nas estradas de São Paulo começa dia 1º de julho

28 06 2010

A partir da zero hora da próxima quinta-feira, 1º de julho de 2010, as tarifas de pedágio das rodovias concedidas do Estado de São Paulo serão reajustadas. Para as concessões efetivadas entre 1998 e 2000, com base no IGP-M, o reajuste será de 4,178085%. A malha dessa etapa totaliza 3.565 quilômetros de rodovias.

Já nas rodovias cujos contratos de concessão foram assinados entre 2008 e 2009, o índice adotado foi o IPCA (índice oficial de inflação do país), com reajuste de 5,218403%. A malha dessa etapa totaliza 1.741 quilômetros de rodovias.

Clique AQUI para conferir a tabela completa com os novos valores em cada praça de pedágio.

Fonte: Artesp





Roteirizador Via Fácil

1 04 2010

     Estamos chegando há mais um feriadão e, nessas épocas, muitos preparam suas malas e viajam. Portanto, gostaria de sugerir à todos que pretendem viajar e não conhecem muito bem ou nada o caminho até o destino o serviço de roteirização do site Via Fácil.

     Depois que entrar no site da Via Fácil clique em Roteirizador e coloque os dados para a rota e outras informações serem processadas. O interessante é que além do caminho (rota), mostra-se o consumo em litros e dinheiro do combustível, e claro, informações detalhadas da rota.

     Fica aí a dica!

     P.S.: Bom feriado à todos e tenham consciência no volante. Todos sabemos o quão perigosas são as estradas brasileiras, portanto, zelem pelas suas vidas e as dos outros.

    





Zona Azul na cidade de São Paulo sofrerá aumento.

1 10 2009

O preço da zona azul (estacionamento rotativo aonde se paga por hora para se estacionar nas ruas de São Paulo) vai subir, nesta segunda-feira (05/10/09) para R$3,00 a hora, ante R$1,80 a hora cobrado atualmente.

Geralmente, os franelinhas cobram R$3,00 a folha da Zona Azul, enquanto que nos pontos credenciados para a venda, cada papel sai por R$1,80. Com este aumento, crieo que os franelinhas passarão a cobrar, no mínimo, R$5,00.

Talvez, em alguns lugares, compensa mais estacionar o carro em um estacionamento privado, pois paga-se um pouco mais caro, mas a segurança é incomparável com a da rua.





Restrição Não é A Melhor Solução

27 07 2009


A maior e mais movimentada cidade do país, São Paulo, se tornou pesadelo para as transportadoras ou autônomos quando foi anunciado a Zona Máxima de Restrição no ano passado, no qual o objetivo é a diminuição da circulação de caminhões numa área de 70 km² a partir do centro da cidade, gerando, assim, melhoria no tráfego, redução de barulho e menor emissão de CO² no ambiente.

As empresas de transporte de cargas e seus vários clientes nesta área tiveram que pensar, planejar e encontrar uma forma eficiente de enviar e receber os produtos. A solução mais usada é a entrega de mercadorias no período da noite, o que é mais caro do que no período diurno, pois gasta-se com funcionários fazendo hora extra para o recebimento da carga e frete ais caro por parte das transportadoras por terem de fazer as entregas de noite.

Agora chegou a vez do transporte de passageiros fretados enfrentarem esta restrição. Estima-se que 1,3 mil veículos de transporte fretados passam por essa área diariamente, transportando trabalhadores que moram em outras cidades. Essas pessoas passam a depender de taxí, metrô ou onibûs de circulação na cidade para chegar aos seus destinos, pois o onibûs fretado não pode entrar na área restrita.

A prefeitura de São paulo alega que a medida reduzirá o tráfego na área e ajudará para redução de emissão de CO², mas eu discordo neste ponto.

Um onibûs consegue transportar mais de 40 pessoas, isso reduz o número de carros que circulam numa cidade, pois cada pessoa não precisar usar sua condução própria. O que adiantaria retirar um ônibus de circulação e ter 40 carros ou motos a mais circulando na área? Só geraria mais confusão no transito e aumentaria a emissão de CO². E, claro, aumentaria o gasto das pessoas com transporte para irem trabalhar ou estudar.

O transporte coletivo é a melhor solução para resolver os problemas de trânsito e emissão de CO². Uma cidade que investe em transporte público só tem a ganhar e os seus usuários também. Ao invéz de pensarem em restrições, por que não estudam formas de melhorar as linhas de onibûs e as de metrô? Com certeza, todos ganhariam se tivessem o pensamento coletivo.

Gostei da matéria do Portal Terra sobre a restrição do transporte fretado de passageiros, vocês podem conferir clicando aqui.





Até Diplomatas Tomarão Multas

29 12 2008


Resolução do Conselho Nacional de Trânsito prevê novo sistema de emplacamento para carros de consulados e organizações internacionais, as placas azuis.

A regra entra em rigor nesta quinta-feira e determina o cadastro no Registro Nacional de Veículos Automotores.

Sendo assim, poderão ser multados. Hoje as infrações são registradas, mas nunca chegam em forma de multas nas embaixadas e consulados.